Baixe o Adobe Flash Player

'Ku Yu Cheung, Gu Ru Zhang ou Ku Lu Zan'

As raízes do Pak Sil Lum são obscuras e abertas ao debate. Ninguém sabe com certeza quando o sistema foi criado, quais estilos o influenciaram, ou quem foi responsável por desenvolver suas dez formas primarias. Contudo, sem exceções, todos os legítimos instrutores do Pak Sil Lum hoje traçam sua linhagem de volta a um dos mais celebrados artistas marciais do Século XX: Ku Yu Cheung.

Ku Yu Cheung nasceu na província de Chiang Su por volta de 1894. Seu pai, Ku Lei Chi, era dono de um negócio que providenciava escoltas armadas a mercadores e civis ricos viajando através de estradas, infestadas de bandidos, que iam e saiam de Nan Kimg. Ku Lie Chi aparentemente tinha uma conexão com o templo Shaolin em Honan e era praticante bem sucedido de arte marcial como Tam Tui, que originou-se dentro da pequena comunidade muçulmana da China. O ancião Ku morreu quando Yu Cheung tinha quase quatorze anos, mas antes de falecer, ele disse a seu filho que buscasse um monge Shaolin chamado Yen Chi Wem, que naquela época vivia na província de Shang Tung.

Dois anos depois, com dezesseis anos, Ku Yu Cheung deixou seu lar para iniciar seus estudos com Yen Chi Wem. Pela maioria dos relatos, Yu Cheung estudou com Yen Chi Wem por doze anos, dominando vários estilos do templo Shaolin. Se as dez formas primárias do Pak Sil Lum foram passadas para Ku Yu Cheung diretamente de Yen Chi Wem é possível dizer, contudo, parece provável que Yen Chi Wem ensinou a Ku Yu Cheung a palma de ferro e as técnicas Chi Kung que mais tarde o fizeram famoso na China.

Ku Yu Cheung já havia se tornado famoso nos finais do Século XX, quando ele participou de uma competição de artes marciais patrocinada pelo governo nacional e pela comunidade de artes marciais. Dizem que ele ficou entre os dez melhores da competição, que pela maioria dos relatos, foi um grande prestígio  jamais testemunhados na china ate aquele ponto. Por volta da época da competição, o Instituto de Kuo Shu Central de Nan King foi fundado e Ku Yu Cheung foi convidado para servir como um dos seus instrutores de artes marciais. O instituto foi bem sucedido em reunir os melhores artistas marciais da sua época conhecidos como os Cinco Tigres do Norte da China. Esse grupo seleto incluía: Ku Yu Cheung, Wam Lai Sheng, Fu Cheng Sung e Li Hsien Wu.

Aspirantes e artistas marciais migraram para o instituto para aproveitar a oportunidade de estudar com mestres tão renomados.

Ao tardar de um ano e pouco estes cinco patriarcas foram à província de Kwamg Tung para ajudar na organização de um segundo instituto de Kuo Shu em Kwamg Chou. Lá eles foram auxiliados na empreitada por um grupo de artistas marciais famosos, conhecidos como os Cinco Tigres do Sul. O mais notável destes, era um praticante de Choy Lei Fut chamado T’na San.

Ku Yu Cheung abriu uma escola não longe da academia de T’an San, e os dois passaram a trocar abertamente informações e alunos. Parece provável que ambos T’an San e Ku Yu Cheung incorporaram técnicas aprendidas entre si a seus próprios estilos, talvez modificando-as a seus gostos.

Além de sua troca com T’na San, dizem que Ku Yu cheung estudou uma variedade de outros estilos com mestres famosos, incluindo Hsing-i, Pa Kua, e Tai Chi estilo Sun com Sun Lu Y’ang, estilo Wudan da Espada com Li Ching-Lin, e T’cha Chuan com Yu Cheng Sheng. A história, entretanto, se recorda de Ku Yu Cheung mais pela sua Palma de Ferro e habilidades do Chi Kung. Como exemplos de suas habilidades, podemos citar: quebrar treze tijolos empilhados com um único tapa silencioso, permitir que um carro ficasse estacionado sobre seu estômago e assim por diante.

A historia mais famosa sobre suas proezas supostamente aconteram em 1931. Como a lenda conta, um circo de uma terra estrangeira chegou a Kwang Chou com um cavalo selvagem como sua atração principal. O promotor do circo (que diziam ser Russo) ofereceu uma recompensa a qualquer um que conseguisse domar o cavalo. Aparentemente um grande número de artista marciais tentaram subjugar o cavalo e foram todos chutados ou pisoteados. Eventualmente, Ku Yu Cheung se aproximou e estapeou o cavalo nas costas. A infeliz besta morreu logo depois, feita uma autopsia mais tarde no cavalo, revelou-se que seus órgãos internos tinham sido gravemente danificados. Isso é sem dúvida uma versão altamente romantizada do que verdadeiramente aconteceu.

Talvez uma versão mais precisa da história seja que Ku Yu Cheung visitou o circo com alguns de seus alunos e pediu para ver o cavalo. Quando o promotor do circo reconheceu que Ku Yu Cheung era um dos melhores artistas marciais da China, ele imediatamente se desculpou por fazer o desafio e o retirou na hora. Ele então levou Ku Yu Cheung para ver o animal. Ku Yu Cheung passou suas mãos pela pelugem do animal e saiu sem mais incidente. Dias depois um rumor surgiu de que o cavalo havia morrido de sangramento interno, resultado direto da técnica da Palma de Ferro de Ku Yu Cheung.

Deve ser notado que muitos dos professores hoje em dia usam Pak Sil Lum como um termo geral para denotar a mistura de estilo e técnicas que emergem da interação dos Cincos Tigres do Norte e do Sul neste período crucial da história das artes marciais chinesas. Além disso, existe outro ramo de Pak Sil Lum que foi transmitido através de Yen Shang Mo que juntamente com Lung Tze-Hsiang, estudou sob a tutela de Ku Yu Cheung. Esse estilo ligeiramente diferente do que é apresentado aqui, mas nos queremos enfatizar que ele não é de forma alguma menos valido ou “tradicional”. Como resultado, atualmente existe alguma variação entre o Pak Sil Lum ensinado em uma escola e outra, mas é suficiente dizer, que caso a linhagem da escola se estenda diretamente a Ku Yu Cheung e tenha as dez formas principais, ela é parte da família Pak Sil Lum.

Fonte: Library of Congress Cataloging-In-Publication Data Klingborg, Brian, 1967 The Secrets of Northern Shaolin Kung Fu: the history, form, and function of Pak Sil Lum / Brian Klingborg and Lai Hung.