Baixe o Adobe Flash Player

Jen Ji Kuen / Yeng Yi Kuen / Hsing-I Chuan

Este estilo se baseia tanto nas formas internas como externas. Sua defesa é executada desviando a força do oponente, fazendo-o desequilibrar-se e completando a seqüência de ataques com golpes de palmas das mãos e principalmente com os punhos fechadas e/ou chutes.

O Xing Yi Quan é um estilo que conta uma origem com várias estórias. Alguns praticantes acreditam que o estilo fora criado por volta de 1100 pelo General Yue Fei, mesmo criador da Garra de Águia e de outros estilos de combate corporal e com armas. Pessoalmente a versão de Yue Fei soa um tanto mítica e absurda, primeiro por falta de lógica e de uma árvore genealógica precisa e fidedigna, e principalmente pelos dois estilos não terem nenhum ponto em comum.

A versão mais plausível é de que o criador do estilo tenha sido Ji Jike, também conhecido como Ji Longfeng, que viveu durante a dinastia Ming (1368 a 1644). Ji, natural de Shanxi, foi aluno do Mosteiro de Shaolin em Henan e era conhecido por suas habilidades com a lança. Diz à história que Ji encontrou um livro sobre teorias e técnicas de combate cuja autoria foi atribuída a Yue Fei, e deste ponto em diante o Xing Yi Quan começou a tomar forma.

Muitos também acreditam que o Xing Yi teve as suas origens no estilo Liu He Quan, originário do Mosteiro de Shao Lin. Ji Long Feng especialista nas técnicas de combate com a lança, e aluno do mesmo Mosteiro Shaolin, criou um estilo próprio de combate usando somente as mãos e os pés, e o ensinou para algumas pessoas; porém o estilo teria se tornado conhecido através de Guo Yun Shen, mestre e herdeiro da quinta geração do Xing Yi Quan.

O Xing Yi Quan se baseia numa série de princípios como: a Vacuidade (Wuji), o Supremo (Taiji) e a Trindade (San Ti - relação entre o Céu, a Terra e o Homem). Os dois ideogramas que compõem o nome do estilo significam "forma" e "vontade", respectivamente, o que significa a dualidade entre corpo e espírito, onde o espírito ou pensamento guia os movimentos do corpo. Este conceito está estabelecido no princípio da medicina tradicional chinesa em que o coração é a morada do espírito, e por isso o primeiro nome do Xing Yi fora Xin Yi, Coração e Vontade/Pensamento. O treinamento do Xing Yi Quan envolve conceitos muito distintos, simples na forma, mas complexos na prática e compreensão. Os exercícios envolvem a prática de posturas com o objetivo de fazer o Chi fluir por todo o corpo pela própria vontade do praticante; em primeira instância com o corpo em repouso e posteriormente com o mesmo em movimento. Existem pequenas seqüências como: Wuxing, Lian Huan Quan, Shi Er Xing e formas como: Ba Shi, An Shen Pao e outras.

Alguns estilos ainda mantêm a prática das armas tradicionais (Bastão, Facão, Lança e Espada). A prática do Xing Yi Quan tornou-se popular juntamente com o Ba Gua Zhang e o Tai Chi Chuan por volta de 1880 quando foram criados diversos centros de treino em Beijing, onde os praticantes dos três estilos trocavam informações e experiências sobre os seus estilos. Muitas pessoas chamam os três estilos como sendo de Wudang (武當) ou Neijia (內家), o que está totalmente errado. Nenhum dos estilos teve origem na montanha Wudang apesar de terem princípios taoístas em suas técnicas e fundamentos. E Neijia (Nei = interno e Jia = família, estilo) é um estilo próprio, sem relação com os três estilos mencionados acima.

Existem três ramos principais de Xing Yi Quan: de Shanxi, de Hebei e de Henan, mas existem muitas "famílias" de Xing Yi Quan, derivadas dos ramos principais, mas que contam com suas variações e grande qualidade combativa.

O Xing Yi (Hsing I) é o mais impetuoso dos estilos internos de Kung Fu. Por ser muito explosivo e incisivo, seu desgaste energético é muito grande, obrigando seu praticante possuir um mecanismo de reposição de energia interna eficiente.

Possui um Chi Kung muito poderoso que lhe permite a reposição energética despendida com uma única respiração.

Toda sua filosofia está centrada no combate real. Caracterizado pelo seu dinamismo, sua parte prática e as aplicações em combate são extremamente enfatizadas.

Possui suas raízes profundamente enterradas nas lutas pelas quais passou a China no final do século XIX. Consiste num dos mais fortes estilos de Kung Fu já criados e que revelou grandes mestres como Guo Yun Shen, Sun Lu Tang e Wang Hsiang Zai.

O Xing Yi projeta sua energia enfatizando o uso dos punhos fechados. Seus socos são golpes muito poderosos que visam tirar o oponente de ação no primeiro golpe.

Suas técnicas são de características agressivas, sendo que o praticante movimenta-se para dentro do adversário com um ataque fulminante onde a energia do corpo inteiro é canalizada em uma única descarga, liberada num único movimento explosivo. O Xing Yi preconiza a economia de movimentos com ataques e defesas simultâneos. Sua movimentação é predominantemente linear, sendo que as mãos, os pés e o tronco se movimentam em conjunto. Como está implícita no nome, a forma ou seqüência dos movimentos é só uma manifestação física do intento do praticante. O princípio fundamental de todas as escolas e estilos de Xing Yi Quan é de que a mente controla tudo e guia os movimentos do corpo.

Grão-Mestre Chan Kowk Wai aprendeu o Xing Yi de seu Grão-Mestre Yim Sheung Mo, que aprendeu de Ku Yu Cheong, que por sua vez aprendeu de Sun Lu Tang. Nosso sistema possui uma forma combinada e cinco formas de mãos: Ba Shi Quan, Lian Huan Quan, Za Shi Quan, Shi Er Xing Quan e Wu Xing Shi’er Xing Quan.
História
Genealogia
Formas